Distrito foi reconhecido em 3 de setembro de 1895 pelo governador Bernardino de Campos

O distrito da Vila Mariana comemora, oficialmente, 122 anos neste domingo. “É um privilégio ser prefeito regional deste bairro que me acolheu quando cheguei a São Paulo, há 32 anos. É uma região privilegiada, culturalmente muito rica e com excelente qualidade de vida”, afirma o prefeito regional Benê Mascarenhas. A história do bairro, no entanto, é mais antiga. Ela começa nos idos de 1782, quando o governador Francisco da Cunha Menezes concedeu uma sesmaria a Lázaro Rodrigues Piques, situada entre o Ribeirão Ipiranga e a Estrada do Cursino, abrangendo a futura região.

Entre 1883 e 1886 foi construída, pela Cia Carris de Ferro, do engenheiro Alberto Kuhlman, a estrada de ferro até Santo Amaro, partindo da Liberdade. Essa linha, inaugurada em 1886, foi colocada sobre o antigo Caminho do Carro para Santo Amaro, no trecho então conhecido como Estrada do Fagundes e, com isso, ocorreu o fracionamento das chácaras existentes na época. Em 1887 começou a funcionar no bairro o Matadouro Municipal, ajudando no povoamento de toda a região. No local, atualmente, funciona a Cinemateca Brasileira. E, finalmente, em 3 de setembro de 1895 o distrito foi reconhecido por meio da Lei 370, promulgada pelo governador Bernardino de Campos.

A origem do nome do bairro tem duas versões: a primeira, seria a junção de Maria e Anna, feita pelo coronel da guarda nacional Carlos Eduardo de Paula Petit. Já a segunda afirma que Kuhlman, engenheiro responsável pela construção de uma estrada de ferro no local dera o nome de sua esposa, Mariana Mato Grosso.

IDENTIDADE VISUAL

Para comemorar a data, a Prefeitura Regional Vila Mariana ganhou um logotipo, desenvolvido e doado pela YW Comunicação e Marketing. A proposta era criar uma identidade iconográfica que simbolizasse os três distritos que formam a prefeitura regional: Vila Mariana, Moema e Saúde. A nova identidade será usada em toda a comunicação oficial da PRVM.

Resultado:

CONCURSO

O bairro da Vila Mariana, individualmente, já tinha ganhado uma identidade. Atendendo a um pedido do prefeito regional Benê Mascarenhas, a Faculdade Belas Artes propôs aos alunos do curso de arquitetura um concurso para a criação de um logotipo para o “Bairro Universitário Cultural”, com o objetivo de reforçar as características e identidade da região. As alunas Mariane Banin, do 7º semestre, Iolanda Carvalho e Juliana Sobral, do 8º semestre, foram o trio vencedor. “Durante uma conversa com a direção da faculdade, pedi a eles que propusessem aos alunos o desenvolvimento de um logotipo que valorizasse a nossa região e representasse as nossa peculiaridades”, conta Benê.

Mariane, Iolanda e Juliana explicam que “a linguagem adotada segue a configuração das placas de sinalização urbana existentes em São Paulo e também o conceito de Gestalt. O principal ponto explorado é a constante demolição de edificações com relevância histórica. Muitas das antigas vilas coloridas da região foram ao chão para dar espaço a grandes empreendimentos imobiliários. Por isso, o logotipo procura valorizar as vilas, representadas pelas cores vibrantes e também pelos três triângulos que remetem ao telhado de duas águas de suas típicas casas”.

No plano de fundo há o desenho de edifícios que simbolizam os novos empreendimentos e a verticalização da região. Os três triângulos fazem alusão à arquitetura da Cinemateca Brasileira, antigo Matadouro Municipal. “O edifício foi escolhido por ter grande relevância urbana e cultural. É uma construção pioneira na região e serviu como agente catalisador em seu desenvolvimento. Hoje, o novo uso garante atividades culturais para toda comunidade”, explicam as alunas.

E, claro, não poderia faltar no logotipo uma das características fundamentais do bairro: a grande concentração de universidades. “Por isso, os edifícios verticalizados foram desenhados de tal forma que também remetem ao desenho de livros, símbolo de conhecimento”, finalizam.

Redação CHK

Redação CHK

Somos apaixonados por comunicação e pela Chácara Klabin. Acreditamos que moradores unidos têm o poder de transformar o bairro e a cidade onde vivem.
Redação CHK