O frio ainda está entre nós, assim como a falta de doações de sangue, que registram grandes quedas neste período do ano  

No mês de junho, pudemos observar vários pontos de São Paulo iluminados pela cor vermelha, graças a campanha “Junho Vermelho”, que tinha como objetivo, estimular a doação de sangue durante o inverno. Isso porque, o período do inverno é bem crítico para doação de sangue pois muitas pessoas estão impossibilitadas de doar por conta das doenças típicas da época (sinusite, rinite, asma, bronquite, gripe e resfriado). A queda nesse período chega a 30%. Sangues como O­ negativo, são um dos mais raros e os que mais faltam, pois, o sangue tipo O é o doador universal.

O frio ainda está entre nós, assim como a falta de doações, por isso, que tal fazer parte desta boa ação? Doar sangue é uma atitude humana, nobre e que, em muitos casos, é a única chance de sobrevivência para uma pessoa.

O posto de coleta da Pró-Sangue fica dentro do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, na Av. Dr. Dante Pazzanese, 500 – Ibirapuera, atende de segunda a sexta-feira das 8 às 13 horas. Pode-se fazer a doação de sangue com hora marcada, agendar grupo ou utilizar a nossa van para grupos de, no minimo, 10 pessoas (até 15). O estacionamento, gratuito para doadores, fica na av. Dr. Dante Pazzanese, 240

Critérios para a doação de sangue:

– Ter de 18 a 65 anos (menores de idade apenas com autorização do responsável legal);

– Estar descansado e com boas condições de saúde;

– Não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas quatro horas;

– Não ter recebido transfusão de sangue nos últimos 12 meses;

– Não estar com febre, gripe ou resfriado;

– Se mulher, não estar grávida, amamentando ou ter tido parto normal ou aborto há menos de três meses. Em caso de cesárea, seis meses;

– Após piercing, aguardar três dias para doar;

– Após tatuagem, aguardar 12 meses;

– Não ter antecedentes de hepatite, doença de chagas e sífilis;

– Acupuntura – sendo agulhas do próprio paciente, não há impedimento;

– Pesar mais do que 50 kg;

– Medicamentos – tempo variado; o esclarecimento deve ser feito pessoalmente ou por telefone antes de doar;

– Áreas de febre amarela, malária, doar após seis meses;

– Hipertensos podem doar dependendo da situação avaliada em entrevista clínica;

– Diabéticos que não façam uso de insulina;

– Tratamento dentário – tempo variado, entre três dias e um mês dependendo do caso;

– Alimentação – não é aconselhado doar sangue em jejum prolongado;

Orientações básicas:

– Levar documento com foto;

– Endereço completo com CEP para o envio de carteirinha de doador e resultado de exames;

– Homens podem doar a cada 60 dias (respeitando o limite de quatro doações ao ano) e mulheres a cada 90 dias (respeitando o limite de três doações ao ano);

– Cada doador colabora com três a quatro pacientes com uma única doação;

– Manhã – tomar café leve e sem alimentos gordurosos;

– Tarde – doar duas horas após o almoço;

– Não se alimentar de refeições com alto teor de gordura;

Importante salientar que todo material utilizado na coleta de sangue é de uso único e descartável, o que elimina qualquer risco de contaminação para o doador. Doar sangue é rápido, simples e seguro. Mas, para quem precisa desse gesto de solidariedade, não é nada simples. Ele vale a vida!

Sobre a Fundação Pró-Sangue: A Fundação Pró-Sangue (FPS) é uma instituição pública ligada à Secretaria de Estado da Saúde e ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, mantendo com a última estreito laço de cooperação acadêmica e técnico-científica. Criada em 1984, tem sua sede no 1º andar do Prédio dos Ambulatórios do Hospital das Clínicas, na avenida Dr. Enéas Carvalho de Aguiar, 155. Possui cinco postos fixos de coleta para doação de sangue na Região Metropolitana de São Paulo: no Hospital das Clínicas, no Hospital do Mandaqui, no Hospital Dante Pazzanese, no Hospital Regional de Osasco e no Hospital Municipal de Barueri.

Mais informação de como realizar a doação: www.prosangue.sp.gov.br/

Redação CHK

Redação CHK

Somos apaixonados por comunicação e pela Chácara Klabin. Acreditamos que moradores unidos têm o poder de transformar o bairro e a cidade onde vivem.
Redação CHK