A busca por qualidade de vida é uma das principais preocupações dos moradores de grandes centros urbanos nos dias de hoje. Embora não se possa conceituar com exatidão quais são os elementos que compõem essa tal qualidade de vida, dadas as subjetividades e contextos sociais e culturais de cada indivíduo, há alguns temas comumente apontados como necessários para uma “vida boa”, dos materiais, como bens e serviços indispensáveis, aos imateriais, como experiências geradoras de bem-estar, formadoras da saúde emocional, psicológica e social. Assim, quando pensamos no bairro que queremos, discussão iniciada na última edição da CHK, é preciso tratar as duas demandas, objetivas e subjetivas, como primárias e igualmente importantes para o aumento da qualidade de vida dentro da comunidade.

Uma dessas é refletir sobre a quantidade, qualidade e utilidade das áreas verdes dentro do bairro. Atualmente a Chácara Klabin conta com duas grandes praças, a Giordano Bruno, na Av. Prefeito Fábio Prado, e a Kant, na Rua Garapeba com a Rua Galofre, utilizadas como área para recreação, socialização e prática de exercícios físicos, além de servirem como “pulmão” de uma região dominada pelo cinza do asfalto e do concreto dos mais de 100 condomínios construídos no bairro. Tamanho grau de urbanização eleva ainda mais a importância dessas praças na Chácara Klabin, pois além das já citadas funções, tais espaços verdes ajudam a melhorar o clima, interceptando a radiação solar, auxiliando na umidade do ar e retendo partículas poluidoras.

Para um bairro que tem em seu DNA o relacionamento entre vizinhos acontecendo livremente pelas ruas, é preciso considerar também a importância para a comunidade de que as pessoas convivam de fato, troquem relatos e experiências, conheçam as histórias e necessidades umas das outras e auxiliem-se no que for possível. Essa realidade, comum há pouco menos de duas décadas, é cada dia mais rara em locais dominados por condomínios, como o nosso bairro. Também para isso servem as praças, desde uma das mais antigas representações do termo, a Ágora de Atenas, principal espaço público da capital grega alguns séculos antes de Cristo, utilizado pelos cidadãos atenienses para discutir e votar sobre justiça, obras públicas, leis, cultura e demais assuntos importantes.

É fácil concluir, portanto, que uma Chácara Klabin mais verde pode trazer muito mais benefícios do que simplesmente um bairro mais bonito. Quanto mais praças, quanto mais atividades ao ar livre, quanto mais eventos na rua, quanto mais encontros entre os moradores, maior será a qualidade de vida na região. Desta forma, a CHK escolheu as praças como primeiro tema para discutir no desenvolvimento do Plano de Bairro da Vila Mariana, começando pelas que já existem e como podem ser melhor conservadas e utilizadas, e chegando até a mais nova conquista do bairro: o Parcão da Chácara Klabin.

1111########parcao_novo2-2

O Parcão

No dia 9 de junho de 2013 a CHK realizou a 1ª Cãominhada da Chácara Klabin, evento que mobilizou centenas de moradores, que, acompanhados de seus cães, tomaram as ruas do bairro em caminhada. Mais do que mostrar a receptividade do bairro a eventos ao ar livre como a Cãominhada, o sucesso da primeira edição despertou muitos pedidos por uma nova edição do passeio – que viria a acontecer no ano seguinte, com o mesmo sucesso – e mostrou que havia uma demanda grande na Chácara Klabin por iniciativas voltadas aos pets e seus donos.

Entres essas demandas sempre esteve a criação de uma área cercada para cães na Praça Kant ou na Praça Giordano Bruno. Muitos donos desejavam uma obra desse tipo para que os pets pudessem correr e brincar sem coleira, sem o risco de fugas para a rua, onde poderiam ser atropelados. Também chamadas de “cachorródromos”, havia áreas como essas em parques como o Ibirapuera e o Villa-Lobos, e em praças no Centro, Zona Norte e Zona Oeste, mas nenhuma nas imediações da Chácara Klabin. Houve então uma série de pedidos, tanto da CHK quanto de outros moradores, de que a área fosse construída no bairro. Este ano o sonho começou a sair do papel!

WAR_5764

O embrião do projeto surgiu ainda antes da 1ª Cãominhada, com a ideia de transformar a rua sem saída ao lado do cruzamento da Rua Vergueiro com a Av. Prefeito Fábio Prado, em um espaço de lazer e local oficial para eventos comunitários no bairro. “Uma maneira que encontramos foi a de fazer do local o ponto de saída das duas Cãominhadas, entre outros eventos que promovemos. Na época da Copa do Mundo, por exemplo, convidamos alguns moradores para pintar os degraus da escada na Praça Antônio Borges de Almeida, também nesse trecho. Em outra oportunidade, recebemos o Mini Circuito Infantil de Bikes da Escola Pueri Domus, onde os pais puderam levar seus filhos pequenos para aprender a andar de bicicleta”, explica Daniel Moral, idealizador da CHK.

O encontro decisivo aconteceria em maio de 2015, no Eureka Coworking, localizado no bairro, onde a CHK e outras empresas mantêm sua sede. “Nós conhecemos no coworking a Michele Gagliard e Janaina Caleffi, arquitetas da Okupa Arquitetura, e comentamos sobre as ideias que tínhamos para as áreas verdes no bairro. Elas de pronto aceitaram e nós começamos a desenhar o primeiro projeto, a rotatória da Av. Prefeito Fábio Prado. No mesmo mês nós adotamos o local e começamos a executar o redesenho paisagístico feito por elas. A partir dessa parceria, começamos a pensar em um novo projeto para a Praça Kant e para a Rua Inácio Estéfano, considerando as demandas que os moradores nos enviavam pelas redes sociais da Chácara Klabin”, explica Fanny Moral, sócia-idealizadora do Eureka Coworking.

Assim começou a surgir o projeto do Parcão da Chácara Klabin, um espaço que ofereceria opções de lazer para moradores de todas as faixas etárias, incluindo os pets, com a criação do tão pedido espaço cercado para cães. “Há dois anos me mudei para o bairro. Muitas vezes passei por aquela rua sem saída, bem localizada e praticamente sem uso, e fiquei pensando em como aquele espaço poderia ser melhor aproveitado. Quando fomos convidadas a participar da idealização do sonho da CHK de transformar aquele espaço no Parcão, enxergamos uma oportunidade de criar um espaço de convivência e integração para o bairro, contribuindo diretamente para a qualidade de vida dos moradores da Chácara Klabin”, afirma Michele.

Além da Okupa, a fase de desenvolvimento do projeto contou com a ajuda da arquiteta Mara Cabral, da Haiah, empresa brasileira especializada em pisos e revestimentos especiais em borracha, que prestou consultoria sobre temas essenciais como acessibilidade, drenagem do solo e as normas de segurança para playgrounds (ABNT NBR 16071). “Após alguns meses de reuniões e trabalho, recebemos o projeto desenhado pela Okupa Arquitetura, contendo uma área cercada para cães com pista de agility, uma área para crianças com playground e uma área de exercícios e alongamentos para os adultos”, lembra Fanny.

05.02.2016 - VISITA A OBRA DO PARCÃO NA CHÁCARA KLABIN - Vereador José Police Neto em vista a obra de construção do Parcão, que fica na Rua Vergueiro esquina com a Av. Pref. Fábio Prado, na Chácara Klabin, Zona Sul de São Paulo. - Foto: JB Neto

Vereador José Police Neto em vista à obra de construção do Parcão (Foto: JB Neto)

Tornando possível

O sonho do Parcão começou a virar realidade durante uma visita do vereador José Police Neto ao bairro. “Eu havia sido convidado pelo Police Neto para um debate na Câmara dos Vereadores de São Paulo, onde conversamos sobre iniciativas de economia colaborativa, mobilidade e lazer na Chácara Klabin. Algumas semanas depois, o vereador e sua equipe nos visitaram e quiseram saber mais sobre o projeto que tínhamos desenvolvido para a rua sem saída. Ele já conhecia a Cãominhada e também tinha ideias nesse sentido para o bairro”, comenta Daniel.

Tendo o incentivo ao espaço público como um dos pontos fortes de sua atuação como vereador, José Police Neto, que já havia desenvolvido projetos de recuperação e criação de praças e áreas verdes em outros bairros como Brooklyn e Perus, abraçou de imediato a ideia do Parcão. “Quando moradores se organizam e entregam um projeto pronto ao poder público, representando uma demanda da comunidade e estabelecendo essa relação direta com a administração da cidade, essa proposta ganha força para sair do papel e ser construída em parceria pelos cidadãos e órgãos oficiais”, afirma o vereador.

O projeto do Parcão foi então encaminhado para a Subprefeitura da Vila Mariana e aceito pelo subprefeito João Carlos da Silva Martins e o chefe de gabinete Renato Jardim. “Os recursos para a realização vieram de uma verba que a Câmara dos Vereadores deixou de gastar no último ano, e que foi repassada para as subprefeituras. Então nós conseguimos utilizar esse dinheiro economizado investindo no Parcão e em outras obras na região da Vila Mariana”, explica José Police Neto.

Do desenho para a rua

Do projeto inicial quase tudo foi mantido, com exceção de algumas adaptações que precisaram ser feitas para que o projeto se adequasse ao orçamento disponibilizado e seguisse os padrões da Subprefeitura da Vila Mariana, executora da obra. Isso incluiu a troca de alguns brinquedos por outros modelos e também a substituição do piso de borracha no playground, que constava inicialmente no projeto, para um gramado.

parcao_novo-5

Quando pronto o Parcão da Chácara Klabin será dividido em três partes: para adultos, com as barras e paralelas para alongamentos e exercícios; para as crianças, com escorregador, gangorra, balanço e playground de tronco; e para os pets, com área cercada para cães e brinquedos que podem ser usados para prática de agility. “Vai ser ótimo para os moradores. Eu moro e trabalho aqui e posso dizer que o pessoal está bastante empolgado, por ser um lugar comunitário para trazer as crianças e para brincar com os cachorros”, comemora a adestradora Cássia Santos.

Segundo José Police Neto, o Parcão é um marco para a região da Vila Mariana. “Primeiro por ser uma iniciativa que parte da comunidade para o setor público, sendo, portanto, uma conquista dos moradores do bairro, e depois por ter uma área para cães que será referência na cidade, com brinquedos que foram fabricados especialmente para esse projeto. Já estamos trabalhando para que, a partir desse na Chácara Klabin, haja outros ‘Parcões’ espalhados pela cidade”, afirma.

A conclusão prevista para as obras do Parcão é para a primeira quinzena de março, para quando já está sendo planejada a terceira edição da Cãominhada da Chácara Klabin. Para Daniel, é preciso que a comunidade abrace a praça para que o espaço mantenha-se conservado e cumpra seu papel de reunir as pessoas. “O Parcão é um espaço que transcende os muros dos condomínios, representando uma grande área de lazer coletiva para todos os moradores do bairro. Esse sentimento de pertencimento é o que inspira o zelo pelo local. A partir daí, podemos organizar frequentemente mutirões para cuidar do espaço e utilizar o Parcão como ponto de partida para campanhas por temas como a limpeza dos dejetos dos cachorros, por exemplo, que é uma das principais reclamações dos moradores”, afirma.

parcao_novo-8

Uma dessas iniciativas será a instalação de placas de conscientização fixadas próximas ao playground e à área para os cães, uma iniciativa da moradora Mariana Spolidorio, que aguarda apoio de comerciantes e vizinhos que queiram ajudar a desenvolver as sinalizações. “A ideia é colocar essas placas não só no Parcão, mas em outras praças e áreas verdes da região, pedindo a colaboração dos usuários dos espaços pela conservação desses locais”, afirma. “Nossa expectativa é que os moradores utilizem o Parcão diariamente para brincar com seus filhos e cães, e que cuidem e zelem como uma extensão do quintal de suas casas”, projeta Janaína, arquiteta da Okupa.

Redação CHK

Redação CHK

Somos apaixonados por comunicação e pela Chácara Klabin. Acreditamos que moradores unidos têm o poder de transformar o bairro e a cidade onde vivem.
Redação CHK