Por Carla Soares Martin, jornalista e moradora da Chácara Klabin

Ela poderia ter continuado a ter uma carreira de sucesso como gerente de RH, com 20 pessoas sobre a sua gestão e uma folha de pagamento de milhões. Mas decidiu criar uma ONG para pessoas em situação de rua. Ficou curioso? Conheça agora Caroline Garcia, ou simplesmente Carol, a moradora do Klabin que fundou o Instituto Mudavidas.

Se todo mundo usasse seu talento, sua profissão em benefício do próximo, que mundo teríamos? Certamente, um mundo diferente. Não é mesmo? Pois a engenheira civil Caroline Garcia, com mestrado em Administração, resolveu usar seus conhecimentos em RH para criar uma ONG que foque o emprego para moradores em situação de rua. “Emprego é uma coisa super necessária para sair dessa situação (de rua), né? Senão, a pessoa em situação de rua não tem como alugar um cantinho. Como ela vai sair do albergue?”, indaga-se Carol.

Foram várias as situações que apareceram na vida da Carol até que ela fundasse o Instituto Mudavidas. Um dia, encontrou uma pessoa que era assistente social em um churrasco de família. Outra vez, falou com uma pessoa que fazia trabalho voluntário em um albergue. Mas, uma das experiências mais marcantes foi encontrar uma moça com deficiência visual pedindo esmola na Avenida Paulista. “Ela tinha uma voz muito bonita. Alguém poderia identificar o talento dela e colocar esse talento em lugares que poderiam ser produtivos, como, no caso dela, em um emprego de locução de rádio ou de locutora de venda de produtos em um supermercado. E eu fiquei pensando a respeito disso. Por que esse alguém não poderia ser eu?”, perguntou-se.

O advogado e colaborador da ONG, Ulisses Maciel, e a fundadora Caroline Garcia, em projeto que ajuda moradores a entrar no mercado de trabalho, sem pendências com a Justiça

O Instituto Mudavidas existe desde 2014. A ONG atua em centros de acolhida da Prefeitura de São Paulo. Desde o início de seu trabalho, o Instituto Mudavidas já empregou 111 moradores em situação de rua. A instituição possui oficinas de Informática, cujo objetivo é ajudar a população em situação de rua a se familiarizar mais com Computação, a elaborar currículos e a buscar vagas online. Há, ainda, a oficina de mecânica de bike, cujo intuito é capacitar o pessoal de rua a trabalhar como mecânico de bicicleta. Existe, também, a oficina de costura, que busca dar mais uma opção de profissão às pessoas em situação de rua. Geralmente, as oficinas precisam de materiais, como um câmbio, no caso da oficina de mecânica de bike, ou computadores, estabilizadores e impressoras, para a oficina de Informática. Daí, entra a sociedade civil organizada, que doa os materiais para a ONG dar continuidade ao seu trabalho. Para doar ao Mudavidas, entre no site http://mudavidas.org/ ou na página do Mudavidas no
Facebook: Instituto Mudavidas.

Formandos no curso de eletricista do Mudavidas

Carol Garcia diz que teve que se desdobrar em vários papeis para tocar a ONG. Lidar com pessoas em situação de rua foi o principal desafio. “Tive que aprender a me livrar dos meus preconceitos e dos meus julgamentos. Quando eu estou ali, com uma pessoa em situação de rua, não posso julgar. Eu tenho que ajudar. (…) Não importa o que essa pessoa fez, foi ou é. Ela está me pedindo ajudar, e eu tenho que ajudar”. Fica a dica!

 

Redação CHK

Redação CHK

Somos apaixonados por comunicação e pela Chácara Klabin. Acreditamos que moradores unidos têm o poder de transformar o bairro e a cidade onde vivem.
Redação CHK