As upanishads são tratados de Yoga presentes dentro dos Vedas, as escrituras sagradas que formam a base do hinduísmo.

Os Vedas são as quatro escrituras básicas (Rg, Yajur, Sama e Atharva-Vedas) e compõe os Puranas), os épicos – o Mahabharata (do qual o Bhagavad-gita é a seção mais importante) e o Ramayana, os Upanishads, os Sutras (mais famosos sendo o Vedanta Sutra e oYoga Sutra), as ciências auxiliares (ayurveda, astrologia, etc.).

Dentro das upanishads, está a Katha upanishad. A expressão Katha ou Kathaka Upanishad é oriunda de uma antiga escola védica associada ao Yajur-Veda, sendo considerada como a mais antiga Upanishad a tratar explicitamente do Yoga. Se costuma datar sua composição em torno dos séculos IV ou V a . C., outros estudiosos, como Georg Feuerstein considera que esta data pode ser revista para 1.000 a.C. Na Katha Upanishad está uma metáfora bastante conhecido na cultura oriental: é dito que a Libertação consiste em conhecer o Atman, a alma, onde o homem é comparado a uma carruagem.

(K.Up. I,3,3): “Conhecer o Atman é como aquele que dirige a carruagem; o corpo é a carruagem, o buddhi é o cocheiro e a mente, as rédeas”. Diz a Katha que os sentidos são os cavalos (K.Up. I,3,4) que podem arrastar a carruagem, dependendo do controle que a mente possa ou não exercer sobre esta. Na Primeira Parte, Capítulo III diz a Katha Upanishad:

4.”os órgãos sensoriais, são comparados aos cavalos; os objetos do mundo, são a estrada. O sábio chama o Atman, unido ao corpo, aos sentidos e à mente, de o “Desfrutador”, ou seja, a alma, nós.

5.”Se o budhi, estando sempre associado à mente que é sempre distraída, perde-se em discriminações, então, os sentidos ficam incontrolados, como os cavalos viciosos da carruagem.

6.”Mas, se o buddhi está associado a uma mente sempre controlada, sem discriminações, então os sentidos permanecem sob controle, semelhante aos cavalos dóceis da carruagem.

7.”Se o buddhi está relacionado à mente distraída e perde sua capacidade de controlar as discriminações, permanecendo sempre impura, então o Atman encarnado nunca atingirá o seu objetivo, permanecendo preso à roda dos nascimentos.

8.”Se o buddhi está ligado à mente disciplinada e possuidora de discriminação, embora permaneça sempre pura, então, o Atman alcança o seu objetivo final, não renascendo novamente.

A palavra Yoga aparece na Katha Upanishad nos seguintes trechos:

K.U.;II,3,10; “Quando os cinco sentidos concentram-se junto com a mente, e quando o intelecto não se movimenta, produzindo divagações, então a pessoa alcança o Supremo Estado, uma condição de concentração segura e penetrante.

11.”Esse estado caracterizado por firme controle dos sentidos, é obtido pela prática do Yoga; quem assim procede, torna-se vigilante. A prática do Yoga pode ser benéfica ou injuriosa, dependendo dos objetivos dessa prática.

É uma bela metáfora para ser revista e estudada, representando o estado mental que desejamos permanecer, para sermos não escravos da vida, ou da mente, mas condutores realizados e firmes no objetivo de evoluir, tornando as virtudes a real meta de cada um que for despertando. E desejo boas festas, e um consciente e presente despertar a cada um de nós!

 

Daniela Monteiro

Daniela Monteiro

Professora de Yoga há 18 anos, com formações em Vinyasa Yoga e Ashtanga Yoga, entre outros, vem investigando a filosofia Vedanta, o Tantra,Ayurveda e outros saberes orientais, sempre aprendendo e aplicando o ensinamento à vida.
Daniela Monteiro