A equipe CHK entrevistou o empreendedor social para saber mais sobre seus projetos e visão de mundo, assunto que é a capa da Revista CHK Ed. 18

Jornalista e idealizador do Instituto Gerando Falcões, Eduardo Lyra (29) é inspiração para muitos jovens e famílias que desejam modificar o presente e investir no futuro. Apaixonado pelo tema Liderança, acredita plenamente que existem pessoas com ótimas iniciativas e que serão capazes de mudar o mundo. Citado pela revista Forbes como um dos 30 jovens mais influentes do país, Lyra acaba de viajar para os Estados Unidos para realizar um curso na universidade Harvard, bolsa de estudos doada pelo empresário Jorge Paulo Leman. Como costuma dizer, precisamos “derrubar muros e construir pontes” para unir as grandes empresas às comunidades e transformar nosso país.

Veja como foi nosso papo com este legítimo falcão:

Como surgiu a ideia de criar o Gerando Falcões?

O Gerando Falcões existe justamente porque vivi na pele o que é nascer com os direitos sociais negados. Minha vida era morar em um barraco com chão batido de terra, dormindo em uma banheira, fazendo rodízio entre almoçar, jantar ou tomar café da manhã e visitando meu pai em um presídio. Minha mãe repetia todos os dias “filho, não é de onde você vem, é sobre para onde você vai”. Ter vivido tudo isso, crescendo ao lado de uma mãe fantástica como essa que me lembrava todos os dias que ao mesmo tempo que eu não tinha nada, eu tinha tudo, encheu minha mente de sonhos, energia e coragem. Quando você vive isso e consegue encontrar um sentido para a vida, acaba querendo ajudar as pessoas, construindo ferramentas para que, outros jovens não vivam a dor que você viveu e não passem pelo que você passou. Se passarem, lembrando sempre da possibilidade de mudança. O Gerando Falcões é isso, existe para que outras pessoas mudem sua história de vida como eu mudei a minha.

Há quanto tempo o Gerando Falcões está atuando? Qual o trabalho realizado?

Já atuamos há quatro anos, em Poá, no extremo leste da Grande São Paulo, trabalhando com cultura, qualificação profissional e esportes. Então temos mais de 15 projetos que envolvem aulas de teatro, pintura, jazz, coral, percussão, futsal, tênis, skate, boxe, aulas de programação onde jovens aprendem a fazer aplicativos, softwares e animações em 3D, um projeto para capacitar mulheres com oficina de maquiagem, entre outros que abrangem mais de 600 crianças na comunidade. Porém, percebemos que a maior referência de uma criança, sendo pai ou mãe, está no presídio. Por isso, começamos a criar um mecanismo para atender toda a família. Hoje, concentramos mais de 40 colaboradores e 10 apoiadores, entre eles, Guaraná Antártica, Geração de Valor, Motorola, Vult e Microsoft.

O livro Jovens Falcões foi escrito para inspirar e provar que todo mundo pode. Com 14 histórias reais de jovens brasileiros que do nada chegaram a tudo, o autor Eduardo Lyra comprova por A mais B o grande potencial criativo da juventude de nosso país. Na obra, está registrada a história, opinião e visão transformadora de brasileiros ousados, que com pouca idade, realizam sonhos, que parecem impossíveis, mudando o mundo para melhor.

Conte sobre o “Recomeçar”, atual projeto do Gerando Falcões!

Fruto da experiência de conseguir salvar meu pai do crime, transformando-o em um herói para mim, eu criei um projeto no Gerando Falcões chamado “Recomeçar”, que dá uma segunda oportunidade para homens que passaram pelo sistema penitenciário. Nesse projeto, fazemos um acompanhamento psicossocial, capacitamos e recolocamos o indivíduo no mercado de trabalho. São dezenas de homens que estão colocando suas armas no chão, voltando a viver da melhor forma e mantendo suas famílias de forma digna, com valor e hombridade. Este projeto já salvou ex-traficantes, ex-assaltantes e membros de facções criminosas que voltaram a ter cidadania. A grande pergunta é: Como você consegue convencer alguém a desistir do crime, do roubo e do tráfico de drogas? Essa é a grande força do Gerando Falcões: dar horizontes. É convencer as pessoas do mesmo jeito que minha mãe me convenceu na favela. Não se trata de uma pessoa estar no presídio, é para onde ela pode ir. O Recomeçar tem um ano e meio de existência e já encaminhou para o mercado de trabalho, mais de 20 homens.

 

“Nossa visão está sempre em derrubar muros e construir pontes”,   Edu Lyra.

 

Quem são os grandes responsáveis pelo “Recomeçar” acontecer?

Na estrutura deste projeto temos o assistente social e o psicólogo. Meu papel no Recomeçar é conectar empresas, diminuindo a taxa de preconceito entre o empresário e este público, que é muito alta. Mas a figura principal deste projeto é o coordenador Leonardo Precioso. Ex-presidiário que passou 7 anos no sistema carcerário, o Léo tem uma história muito bonita e hoje está totalmente recuperado, fazendo faculdade e liderando este projeto de forma extraordinária. Seu papel é construir uma ponte entre a realidade vivida por estes indivíduos e o sonho de deixar de ser um criminoso por meio do projeto. O Léo era meu amigo de infância, jogávamos bola juntos e ele ensinou muito. Eu tinha em mente que quando eu tivesse oportunidade, iria resgatar o Léo. Assim que o Gerando Falcões ganhou estrutura, pensei “a hora é agora”. Passei mais de dois anos negociando com ele sua saída do crime através de cartas, mandando meu livro e dando uma estrutura financeira para a família dele, tudo enquanto ele ainda estava dentro do presídio, fazendo parte de uma facção. Isso foi gerando um sonho e uma expectativa dentro dele. Quando ele saiu, fiz a proposta de trabalhar comigo na área de esportes do Gerando Falcões. Hoje, ele é traficante de conhecimento e sonhos.

Eduardo Lyra e Leonardo Precioso: Amigos desde a infância

Na sua opinião, qual a maior dificuldade em despertar a mudança na sociedade?

Para o Brasil mudar, precisamos conscientizar os empresários a dar uma segunda chance para ex-presidiário, senão, a criminalidade e a injustiça só vão aumentar. Ninguém vai conseguir parar seu carro no farol, ninguém vai conseguir deixar o filho ir de casa até a escola a pé, as pessoas pensarão cada vez mais em investir na segurança e isso vai se tornar insustentável! Para mudar, o empresário precisa pensar “Poxa, o problema não é só do Edu Lyra, é meu também! ” Essa é a chave que precisamos virar na cabeça das pessoas. Acho que é disso que o mundo precisa, pessoas que olhem para o problema e encarem como seu também, darem o melhor de si para encontrar a solução. Uma das soluções é se conectando com a periferia, líderes comunitários e sociais, para acelerar esse processo de transformação e salvar vidas. Já imaginou o que aconteceria com o mundo se todos nós colocássemos um pouco do nosso tempo, ideias e dinheiro para salvar pessoas?

Edu Lyra, fez uma visita ao Eureka, espaço de coworking localizado na Chácara Klabin, para conhecer o local colaborativo. Seus projetos já despertaram o interesse tanto de anônimos, quanto de personalidades famosas da mídia, como o caso do narrador Galvão Bueno que lançou este ano, um curso de sommelier para o Instituto.

O crime organizado enxerga o projeto como algo positivo ou como algo que pode dificultar o trabalho deles?

Não somos um concorrente do crime, pois não tiramos pessoas de lá, somos uma opção. O indivíduo que está inserido no crime não nos enxerga desta forma, porque se um dia ele quiser sair deste cenário, nós somos na sociedade a única luz no fim do túnel existente para ele. Se ele, de alguma forma, se colocar contra nós, quando chegar o dia que existir o desejo de mudança, vai ter destruído a luz no fim do túnel. Por isso, lá em nossa comunidade, na zona leste, todos sabem que o Gerando Falcões é a oportunidade de mudança, e eles também tem consciência que seus filhos podem estar, de alguma forma, participando das atividades do projeto e que sua família precisa de uma estrutura dentro do lugar que vive.

Você pensa em expandir a ideia do Gerando Falcões para outros bairros?

O Gerando Falcões está dentro da comunidade de Poá não por acaso. Estamos dentro do problema, acordamos e podemos ver a realidade pessoalmente e ao vivo. O tempo todo, eu preciso de elementos que me façam lembrar o meu propósito. Por exemplo, eu tive uma reunião importante com empresários em um bairro nobre de São Paulo. Uma realidade completamente diferente da minha. Para me iludir com tudo isso e me perder do objetivo é muito fácil! Então hoje, eu trouxe comigo um menino que faz parte da ONG, não tem pais e mora em um albergue. Ele vai passar o dia comigo e constantemente vai me fazer lembrar que ele precisa de uma oportunidade, que eu sou um modelo para ele e que eu não posso errar, pois tenho razões fortíssimas para convencer as pessoas e buscar suas parcerias. Tudo isso gera dentro de mim, uma energia que me faz querer ir adiante e estar em Poá me faz lembrar de todo este raciocínio todos os dias. Desta forma, vou me estruturando e capacitando para poder assumir algo maior e quem sabe, novas comunidades.

Onde você se enxerga no futuro?

Daqui a 10 anos, eu quero ser uma das pessoas que vai ajudar a incendiar este país. Não sei como, mas precisamos, de alguma forma mexer com a estrutura das pessoas.

 

Para saber mais sobre o Projeto Recomeçar, confira a matéria “Uma Nova Chance”, capa da nova edição da Revista CHK:

https://issuu.com/chacaraklabin/docs/chk18

 

Assista este vídeo de 10 minutos que conta muito bem a trajetória deste falcão:

 

 

Instituto Gerando Falcões

Avenida Niterói, 96 – Cidade Kemel, Poá-SP

Telefone: 11 3426-9800

Site: http://gerandofalcoes.com/

E-mail: [email protected]

Redação CHK

Redação CHK

Somos apaixonados por comunicação e pela Chácara Klabin. Acreditamos que moradores unidos têm o poder de transformar o bairro e a cidade onde vivem.
Redação CHK