Com prateleiras repletas de chocolates coloridos, em formato de coelho, ovo ou simples bombons, fica o dilema: Comer ou não comer? Eis a questão.

A guloseima é,  sem dúvida, um dos alimentos que mais engordam. Rico em calorias, o chocolate contém alto teor de carboidratos refinados (principalmente sacarose), gorduras (35% monoinsaturadas, 60% saturadas e 5% poliensaturadas) e uma pequena porção de proteínas. Portanto, tudo vai depender da quantidade consumida, do tipo de chocolate e do horário que foi ingerido.

Para quem não quer abrir mão do chocolate, recomendo o consumo da versão 70% cacau por apresentar o dobro da capacidade antioxidante do chocolate tradicional, não conter leite e possuir uma menor quantidade de açúcar. Estes contêm altos índices de flavonoides que diminuem a pressão sanguínea, reduzem o LDL colesterol e protege contra doenças do coração. A regra é, quanto mais escuro o chocolate, mais flavonoides ele tem, por isso mais saudável.

Uma boa alternativa  para as pessoas intolerantes a lactose e celíacos é o chocolate de alfarroba, uma vagem comestível, marrom escura e bem docinha, utilizada para substituir o cacau. Super saudável, ela dispensa o uso de açúcar por já possuir naturalmente sacarose, glicose e frutose, diferentemente do cacau. Outra grande diferença é com relação ao teor de gordura. Enquanto o cacau tem até 23% de gordura, a alfarroba possui apenas 0,7% e ainda é rica nas vitaminas E, B6, B12, além de cálcio, potássio, ferro, fósforo e zinco. A alfarroba possui bem menos calorias do que o cacau e não possui nenhum tipo de estimulante, como a cafeína. Assim, para quem se preocupa apenas com calorias, ela é realmente a melhor opção,  ela  possui inclusive baixo índice glicêmico, tornando-se um alimento que pode ser consumido também por pessoas com diabetes.

Normalmente, os chocolates ao leite possuem mais manteiga de cacau, o que significa maior porcentagem de gordura e menor efeito benéfico para o corpo. O “pior” chocolate é o branco, por nem usar a massa de cacau e ter em sua composição a manteiga de cacau, açúcar e leite ou seja, não tem antioxidantes e é o mais calórico. Evite também as opções com muitos cremes, doce de leite, avelãs, amêndoas, mousse, marsmallow e crocante, pois eles engordam muito mais.

Outra dica é não comer chocolate com o estômago vazio, isso faz aumentar os níveis de açúcar no sangue e, na hora da queda, a fome pode bater ainda mais forte, ou seja, você come seu chocolate de estômago vazio e logo depois já estará com fome de novo. E mais fome ainda!

A ingestão do chocolate depois das refeições é uma ótima estratégia para quem não quer abrir mão de se deliciar com o doce, e isso vai evitar os picos de glicemia no sangue, índice que precisa estar sempre equilibrado para garantir o bem-estar. Se comer chocolate for inevitável, faça-o depois da refeição!

Boa Páscoa!

Adriana Stavro

Adriana Stavro

Adriana Stavro, formada em Nutrição pelo Centro Universitário São Camilo. Pós-graduada em Doenças Crônicas não Transmissíveis pelo Hospital Albert Einstein. Pós graduanda em Nutrição Clinica Funcional pela VP consultoria.
Adriana Stavro