Um estudo publicado no British Journal of Nutrition demonstrou que a ingestão alimentar de adolescentes eutróficos (com peso corporal dentro da faixa de normalidade) é menor após uma sessão de exercícios físicos quando comparada a uma sessão de jogos ativos de videogame.

Todos os participantes do estudo foram submetidos a quatro sessões de 1 hora das seguintes atividades: controle (sentado), videogame passivo (jogo de boxe no Xbox 360®), videogame ativo [jogo de boxe no Kinect Xbox 360® (Kinect é uma câmera para Xbox 360 que capta os movimentos do jogador e utiliza infravermelho para transformar o espaço em 3D, dispensando o uso de controle)] e exercício (EX – ciclismo).

Os exercícios e as atividades de videogame ativo foram projetados para gerar o mesmo gasto energético, que foi medido através de calorimetria indireta. A ingestão alimentar e apetite foram avaliados após cada sessão.

criança video gameDe acordo com os resultados, o gasto energético do videogame ativo e do exercício foi significativamente maior nos participantes obesos e significativamente maior em comparação com controle e videogame passivo em ambos os grupos. Os participantes obesos comiam significativamente mais do que os eutróficos em todas as atividades.

A ingestão calórica não diferiu entre as condições nos participantes obesos e foi significativamente inferior em participantes eutróficos após o exercício (680,44 kcal) em comparação com o videogame passivo (855,64 kcal) e videogame ativo (832,93 kcal).

O apetite foi significativamente mais elevado, e a saciedade foi menor nos participantes obesos, mas nenhum efeito foi observado nas atividades.

É muito importante que haja um equilíbrio entre ingestão alimentar e gasto energético. As crianças e adolescentes estão consumindo alimentos altamente calóricos e se exercitando cada vez menos. Essa conta não bate e daí vem a  obesidade infantil.

“No geral, o exercício de intensidade moderada proporciona melhor efeito sobre o balanço energético do que uma hora isoenergética (com o mesmo gasto energético) de jogos de videogame ativos em meninos adolescentes eutróficos, afetando duplamente o gasto energético e a ingestão alimentar”, concluem os autores.

Jogos de vídeo game, mesmo que ativos não substituem sessões de prática esportiva ao ar livre e monitoradas por profissionais da educação física.

A alimentação das crianças e adolescentes deve ser balanceada e nutritiva. Guloseimas devem ser liberadas esporadicamente em situações controladas. Médicos e nutricionistas são os profissionais indicados para monitorar e balancear a saúde e a alimentação dessas crianças, desmistificando crenças e modismos.