Investir na saúde das crianças é investir no futuro da humanidade.

O investimento na primeira infância é imprescindível, com impacto em todos os aspectos de uma sociedade. Os cuidados devem ser redobrados nos “Primeiros Mil Dias” de vida de uma criança. Os primeiros mil dias, período que se inicia na concepção e se estende até os 2 anos de vida tem no Aleitamento Materno, o seu mais forte pilar, que propiciará o crescimento e desenvolvimento saudável de uma criança. Diversas organizações, como Ministério da Saúde, Sociedade Brasileira de Pediatria, Sociedade Americana de Pediatria e Organização Mundial da Saúde preconizam: Aleitamento materno exclusivo e sob livre demanda, até os 6 meses de vida do bebê e complementado até dois anos ou mais.

Aleitamento Materno: O Leite materno é o melhor, o mais completo e o único alimento que os bebês precisam nos primeiros 6 meses de vida para o seu pleno crescimento e desenvolvimento.

Aleitamento materno exclusivo: Significa que o bebê não necessita de nenhum outro alimento (água, fórmulas artificiais, suco, chás, frutas, comidas).

Sob livre demanda: Significa que o bebê vai ditar a frequência e duração de cada mamada, soltando o seio espontaneamente quando estiver satisfeito.  A mamada ideal é aquela onde a mãe e o bebê transitam em plena conexão física e psíquica, desconectam-se do mundo que os cercam, dos relógios, dos palpites, das regras pré-estabelecidas e entram em plena simbiose. É necessário que a nutriz esteja, em um ambiente calmo, tranquilo, confortável, com pouca luminosidade ou qualquer outro estímulo para que possa, nesse momento de silêncio, entrar em contato consigo, escutar o seu coração e deixar os seus instintos mais primitivos aflorarem e atuarem e conduzirem a situação.

 

Peculiaridades do Leite Materno:

O colostro, “leite dos primeiros dias” é rico em anticorpos, essencial e suficiente para o recém-nascido nesse momento. Habitualmente, 72-96hs após o parto, ocorre o fenômeno da APOJADURA, mais conhecido como descida do leite. É o momento em que a nutriz irá iniciar a produção do leite anterior e posterior que irão variar em sua composição e quantidade conforme a demanda do bebê.

O leite materno é o alimento mais completo e específico para a espécie humana, portanto, tem melhor digestibilidade! É um MITO dizer que o leite materno é fraco. Não EXISTE LEITE MATERNO FRACO! A maioria das mulheres têm plena condição física de amamentar. Na maioria das vezes, as crianças amamentadas no seio necessitam que as mamadas aconteçam em intervalos de tempo menores quando comparadas às crianças que recebem fórmulas por conta dessa maior digestibilidade do leite materno. Se pararmos para pensar, o leite de vaca é específico para o crescimento de um bezerro, que nasce bem maior, com uma composição corporal e demanda bem diferente de um recém-nascido; o bezerrinho nasce e já dá os primeiros passos, certo? Essa peculiar e importante característica permite que o recém-nascido receba o leite materno com maior conforto, que é completamente adaptado para um intestino ainda em processo de desenvolvimento.

Os benefícios do aleitamento materno vão muito além das questões nutricionais:

Os estudos científicos existem para nos auxiliar, repensar, reformular, readequar e até modificar condutas antigas com o objetivo de PREVENIR doenças e otimizar a qualidade de vida dos indivíduos. As evidências científicas mostram que os hábitos de vida e o ambiente social em que uma pessoa está inserida podem modificar o funcionamento de seus genes (epigenética) e esses serão transmitidos para os seus descendentes, caracterizando a chamada programação metabólica. O aleitamento materno atua diretamente nessa programação metabólica criando ‘imprints’ capazes de modular a saúde do indivíduo aleitado.

Para a criança:

  • Incremento no sistema imunológico, com efeito protetor e redução da mortalidade e admissões hospitalares por infecções,
  • Composto por substâncias bioativas que auxiliam na imunidade da criança e na maturação do sistema digestivo;
  • Redução do risco de morte súbita;
  • Auxilia na prevenção de doenças e condições crônicas como asma, diabetes melitus tipo 2 e obesidade na infância;
  • Incremento do QI com consequente impacto econômico e social;
  • Toque, carinho, afeto e o olho no olho são essenciais e um grande diferencial na formação psíquica infantil;
  • Vínculo mãe-filho;

Para a nutriz:

  • Aumenta o intervalo interpartal;
  • Redução no risco de câncer de mama e ovário;
  • Diminuição do risco de diabetes;
  • Vínculo mãe-filho;

Para o planeta:

  • É ecologicamente correto, sustentável, não produz lixo que contamine o meio ambiente.

Para a Humanidade:

  • Vínculo mãe-filho. O vínculo afetivo estabelecido entre mãe e filho , e talvez esse seja o maior dos benefícios da amamentação, permite que a criança receba carinho e amor em sua plenitude, imprescindíveis a formação de um cidadão. Crianças que receberam amor e afeto, os índices de criminalidade, suicídio e gestação precoce são reduzidos.

Gestação X Amamentação

Para o crescimento saudável de um bebê os cuidados devem ser iniciados ainda durante a gestação, imediatamente após a concepção. A gestante precisa cuidar tanto da sua saúde física quanto psíquica. O estado emocional da gestante interfere positiva ou negativamente na saúde do bebê, portanto, evitar situações desagradáveis e ter uma válvula de escape para os momentos de tensão são atitudes benéficas para a saúde da futura mamãe e também para o bebê em processo de formação. O acompanhamento médico durante a gestação deverá ser regular, a gestante deverá ter uma alimentação saudável e equilibrada, realizar atividade física supervisionada desde de que não tenha nenhuma contra-indicação médica, eliminar hábitos deletérios como cigarro (e também tabagismo passivo) e bebidas alcoólicas, cuidar das questões psíquicas inerentes a cada fase da gestação (ansiedade, insegurança e medos) e sempre procurar ajuda profissional quando detectar qualquer dificuldade.

Mesmo no ritmo frenético imposto pela sociedade nos dias de hoje, é muito importante que diariamente essa gestante “olhe” e se conecte com o seu bebê. Num momento de tranquilidade coloque uma música relaxante, sente-se ou deite-se confortavelmente, TOQUE a sua barriga, converse com o filho e aí vale falar sobre TUDO: medos, anseios, expectativas, sensações, dificuldades. Cante uma música, faça uma leitura em voz alta. Traga o pai do bebê para esse momento também. Converse com o seu parceiro, o diálogo é muito importante nesse período em que os hormônios estão a flor da pele e as vezes as discussões e os desencontros são inevitáveis…. Conecte-se com o bebê. Deixe que ele já participe da sua vida, não só física, mas emocionalmente também. Esse treinamento diário será extremamente importante para estreitar o vínculo mãe-bebê e consequentemente facilitar o processo da lactação.

É recomendado pela Sociedade Brasileira de Pediatria que a gestante passe em uma consulta Pré-Natal Pediátrica, no último trimestre da gestação, para que ela receba todas as orientações médicas referentes ao bebê. É importante que a família possa escolher um pediatra no qual se identifique, em uma fase mais tranquila e não somente após o nascimento do bebê, momento em que as saídas de casa e exposições do recém-nascido devem ser minimizadas evitando o risco de infecções. O pediatra vai abordar diversas questões, tais como: a importância e os benefícios do aleitamento materno e também orientar sobre a técnica correta da amamentação. Para o sucesso da amamentação, uma técnica correta de posicionamento e pega são fundamentais. A pega correta previne as temíveis fissuras mamárias que colocam em risco a lactação e aumentam o risco de desmame. O pediatra vai esclarecer as dúvidas, tranquilizar e dar o suporte necessário para os familiares. É recomendando que a primeira consulta com o pediatra seja 48-72hs após a alta da maternidade, período hábil para investir na lactação!

Pós Parto X Amamentação

Para o sucesso da amamentação é recomendado que o recém-nascido seja colocado no seio materno ainda na sala de parto, de preferência na primeira hora de vida.

É imprescindível que a nutriz se alimente bem, beba bastante água, descanse sempre que possível, evite a introdução de qualquer tipo de bicos artificiais como chupeta, mamadeira, deixe o bebê no colo, de preferência sem roupinha de modo que fiquem em pleno contato pele a pele e pratique a livre demanda. Quanto mais o bebê sugar o seio materno maior será a produção láctea. A sucção adequada do bebê é o melhor estímulo para aumentar a produção de leite. Os primeiros dias após o parto são muito importantes para o estabelecimento e a manutenção da lactação. Apesar da amamentação ser um ato instintivo e a sucção um ato reflexo, o bebê precisa aprender a extrair o leite do peito de forma correta. A técnica de amamentação, em especial o posicionamento da dupla e pega são importantes para a retirada efetiva do leite pela criança e proteção dos mamilos. A amamentação deve ser indolor. Qualquer dificuldade, por menor que seja, a mamãe deverá solicitar ajuda para um profissional da área da saúde capacitado. Para o sucesso da lactação é imprescindível uma rede de apoio, incentivo e informação.

O pós-parto, ou puerpério, é um momento delicado e que requer atenção especial. Tudo é novo! As responsabilidades, as sensações, as emoções, as necessidades, as prioridades, as relações interfamiliares, a rotina, a privação de sono… Nossa!!! MUITO sono… o intenso cansaço, a instabilidade de humor (em um segundo estar estupidamente feliz e no outro com um sentimento de tristeza e melancolia), decifrar o choro do bebê, os palpites, as visitas, a nova forma física, o amor incondicional que todas falam, mas que as vezes não vêem imediatamente…

Portanto, falar sobre as questões que envolvem as angústias do puerpério é algo muito importante. Compartilhar experiências, expor os sentimentos, saber que outras pessoas também já passaram pela mesma situação ajudam e tornam o momento menos denso. Informação, apoio e palavras de incentivo serão sempre bem-vindas.

Inicialmente a lactação é um processo extremamente trabalhoso, difícil, que requer persistência, disponibilidade, consistência e paciência. Por ser um momento de aprendizado para ambos, tanto para a mamãe, quanto para o bebê. Por mais que essa mamãe tenha experiências prévias com a amamentação com outros filhos, positiva ou negativa, ter em mente que cada criança é única, portanto, o processo de amamentação também pode e provavelmente será diferente com cada filho.

Demanda tempo, demanda energia mas, é uma vivência extremamente gratificante e  que a maternidade proporciona.

E no fim… sempre vale MUITO a pena!  

Renata Scatena

Renata Scatena

Pediatra geral / Puericultura/ Aleitamento Materno - CRM 124.384

Formada pela Faculdade de Ciências Médicas de Santos
Residência Médica em Pediatria pela Universidade de São Paulo - HCFMUSP
Especialização em Terapia Intensiva Pediátrica pela Universidade de São Paulo – HCFMUSP
Título de especialista em Pediatria pela SBP
Título de especialista em Terapia Intensiva Pediátrica pela AMIB
Médica Plantonista da Unidade de Terapia Intensiva do Instituto de Oncologia Pediátrica/GRAACC
Médica Pediatrae Diretora técnica da Clínica de Pediatria e Imunização Klabin
Renata Scatena

Últimos posts por Renata Scatena (exibir todos)