O câncer de mama figura como uma das maiores causas de morbi-mortalidade em todo o mundo e, no Brasil apresenta-se como a neoplasia maligna mais incidente entre mulheres, assim como a principal causa de morte por câncer. Diversos esforços vêm sendo realizados a fim de identificar os determinantes do câncer de mama, assim como os fatores protetores, e a abordagem terapêutica adequada.

Fatores dietéticos podem contribuir para a carcinogênese mamária, portanto, a progressão e controle desta doença parecem estar relacionados a hábitos alimentares, baixo consumo de gorduras saturadas, carnes magras, produtos lácteos, frutas e vegetais, fibras entre e outros alimentos.

Neste contexto, surge a compreensão de que a alimentação adequada exerce um papel além do que fornecer energia e  nutrientes essenciais, enfatizando também a importância dos constituintes não-nutrientes, que em associação, são identificados pela promoção de efeitos fisiológicos benéficos, podendo prevenir ou retardar doenças tais como as cardiovasculares, câncer, infecções intestinais, obesidade.

Dietas baseadas no consumo de frutas, vegetais, grãos integrais, parecem atuar na prevenção e controle, minimizando o impacto do acometimento por esta patologia, em decorrência de muitos compostos fitoquímicos, nutrientes ou nãonutrientes, que são excelentes agentes quimiopreventivos, frequentemente encontrados nestes alimentos.

Alguns estudos epidemiológicos são convincentes ao demonstrarem que mulheres com uma dieta rica em frutas e vegetais têm um risco reduzido de desenvolverem câncer de mama. A relação dos fatores dietéticos com o câncer de mama, e seus possíveis papéis como causadores e facilitadores deste tipo de neoplasia são amplamente reconhecidos pela literatura.

Diante deste contexto, a prevenção através dos alimentos emerge como um importante instrumento na prevenção e controle do câncer de mama. A adoção de uma dieta saudável e variada, rica em vegetais, frutas, grãos integrais, que ofereçam componentes alimentares com possível efeito benéfico na prevenção e na redução do risco de recorrência da neoplasia mamária é fundamental na prevenção desta patologia.

Adriana Stavro

Adriana Stavro

Adriana Stavro, formada em Nutrição pelo Centro Universitário São Camilo. Pós-graduada em Doenças Crônicas não Transmissíveis pelo Hospital Albert Einstein. Pós graduanda em Nutrição Clinica Funcional pela VP consultoria.
Adriana Stavro