Projeto Finitudes traz bate-papos, teatro, dança, cinema e lançamento de livro para debater e desmistificar a morte

De 24/10 a 19/12 o Sesc Ipiranga recebe o Ciclo Finitudes,  projeto que visa desmistificar a morte e discutir a existência humana. O ciclo abarca uma série de atividades em diferentes linguagens, abordando o tema da vida enquanto findável e as possiblidades que essa (in)certeza sugere.

O Ciclo Finitudes é parte de uma série de reflexões sobre temas sensíveis ao envelhecer e discorre sobre a existência do ser humano a partir do sentimento do finito. Ao convidar o público a refletir sobre este objeto, o projeto promove abertura do diálogo e retira a morte do lugar silencioso e excludente que a sociedade inflige aos temas delicados. A abertura do projeto acontece no dia 24/10, às 17h, com o bate-papo “Filosofia e literatura: um diálogo sobre a morte”, em que a escritora Heloisa Seixa juntamente com o professor e filósofo Vladimir Safatle questionam a vida na contemporaneidade e a dificuldade humana de se apropriar de seu tempo. Após o bate-papo acontece a performance coreografada pelo bailarino Rubens Oliveira.

Conversando com a morte

Além do bate-papo de abertura, outras duas mesas debatem a finitude humana. No dia 8/11, em “A morte em diferentes culturas”, o professor Edgard de Assis Carvalho media e participa da conversa entre o líder indígena Ailton Krenak e os professores Christine Greiner e Acácio Almeida. Neste debate os convidados relacionam a questão mortuária em diversas sociedades como a africana, oriental e indígena. O direito à morte nas esferas médica, jurídica e pessoal, é o tema da mesa “O direito à morte: agenciamentos sobre o corpo”, que acontece no dia 30/11 com mediação da jornalista Camila Appel e participação da advogada Luciana Dadalto, a economista Elca Rubinstein e médica Maria Goretti.

Lançamento

O bate-papo “A morte em diferentes culturas” com professor Edgard de Assis Carvalho faz parte do lançamento do livro “Sobre a Morte – Invariantes culturais e práticas sociais”, do qual é responsável pela tradução juntamente com Mariza Perassi Bosco. No dia haverá exemplares da obra a venda para o público.

 

A morte na arte

A atriz Maria Alice Vergueiro apresenta de 29/10 a 7/11 o processo de criação do espetáculo “A Vênus de Youkali”, em que, ao lado do ator e diretor Luciano Chirolli, questiona as relações de desejo e contemplação do corpo envelhecido. Nesta mostra de processo, é possível verificar a hibridização do espetáculo que vagueia no campo do teatro, performance e instalação a partir dos corpos nus de Maria Alice e Luciano.

Em “Carta a D.”, a leitura cênica surge a partir dos relatos íntimos verificados em uma oficina com idosos condensados aos escritos presentes na carta de despedida do filósofo André Gorz, que em 2007 se suicidou juntamente com Dorine Keir, sua esposa. Na oficina “Teatro das Horas Vagas” a Cia. Hiato irá preparar um grupo de não-atores da terceira idade para reviver os últimos momentos do casal da carta, apresentando o resultado nos dias 13 e 14/12.

 

Aludindo a morte com música e poesia, Nelson Sargento apresenta no dia 2/11 um repertório que explora a simbiose de sua obra autoral com a arte do poeta Manoel de Barros e a música de Nelson Cavaquinho. Neste show, Sargento explora as fronteiras do envelhecer, do ciclo da vida e as paisagens sonoras que a finitude humana nos dispõe.

O espetáculo “Fino Fio” acontece dentro da programação do Finitudes nos dias 27, 28 e 29/10, e traz a bailarina Maria Eugenia performando diferentes traduções do viver-morrer, numa expedição pelo fino fio que une delicadeza e força, ligação e rompimento por meio de procissões religiosas, rituais mexicanos e festa da cultura popular.

Em “Diálogos Alados: colóquios sobre a morte”, os coreógrafos Luis Ferron e Luis Arrieta apresentam o díptico “Libélulas de Vidro” e “Os Corvos”, em que, sozinhos no palco ou na presença de bailarinos convidados, movimentam questionamentos como os de lidar com a morte do outro, a vivência do tempo que nos resta e o que a proximidade da morte nos fala da vida que construímos culturalmente.

A Mostra de Cinema Finitudes convoca títulos, diretores e grandes nomes da sétima arte para trazer visualidade ao tema da morte, projetando a importância do debate na sociedade.

Além da seleção de filmes composta por premiadas obras de diversos países, a mostra traz o diretor José Roberto Torero e o escritor Marcus Aurelius Pimenta – autores de “Os Vermes” – para uma conversa no dia 31/10 após a exibição do curta “Morte”.

Para as Crianças

De 26/11 a 17/12, as crianças também têm lugar garantido na experimentação e vivência do tema. Para abordar de forma leve, bem humorada e delicada, a Cia. As Graças criou o espetáculo “Tem, mas acabou!”, que miscigena memórias das próprias atrizes com histórias do imaginário popular que estão no livro “Contos de enganar a morte”, de Ricardo Azevedo.

E nos dias 31/10 e 1/11 a animação “Festa no Céu” terá exibições gratuitas. No filme as crianças viajam com Manolo, um jovem que se encontra dividido entre as expectativas da família e os desejos do seu coração. Antes de escolher qual caminho seguir, ele embarca numa incrível aventura, que se estende por três mundos fantásticos: o dos Vivos, o dos Esquecidos e o dos Lembrados.

Redação CHK

Redação CHK

Somos apaixonados por comunicação e pela Chácara Klabin. Acreditamos que moradores unidos têm o poder de transformar o bairro e a cidade onde vivem.
Redação CHK